Atua Agro, a loja própria da Syngenta

Encontre produtos e soluções

e garanta o sucesso da sua lavoura

Atua Agro, a loja
própria da Syngenta

Encontre produtos e soluções

e garanta o sucesso da sua lavoura

Atua Experiência: a iniciativa que vai aprimorar a sua experiência como cliente 1024 568 Atua Agro
Atua Agro oferece novo conceito de atendimento para sucesso do agricultor no campo

Atua Experiência: a iniciativa que vai aprimorar a sua experiência como cliente

O conceito de atendimento da Atua Agro é baseado em cinco pilares, pensados para motivar o sucesso do agricultor

Uma loja que vai além da oferta de produtos de qualidade e busca promover a melhor experiência para os clientes: essa é a Atua Agro. Desde a hora de planejar até a hora de colher, a empresa conta com um modelo de atendimento completo e diferenciado, que agora passa a integrar a nova proposta da empresa, chamada de Atua Experiência.

O Atua Experiência é um conceito de atendimento que tem como foco trabalhar todos os pilares de diferenciação da Atua Agro, para que o cliente possa, de fato, vivenciar a proposta de valor da empresa e ter uma experiência positiva nas lojas. O Atua Experiência aborda cinco frentes fundamentais, que têm como objetivo dar suporte ao sucesso do agricultor durante toda a sua jornada. A seguir, você confere cada uma delas.

1. Atua Digital

A evolução digital é uma tendência que já está presente nas propriedades agrícolas e traz muitos benefícios para os agricultores. Trata-se da conjunção entre o trabalho realizado por pessoas com a rapidez do mapeamento tecnológico das situações que ocorrem na lavoura. Dentro do pilar digital, a Atua Agro oferece para os seus clientes três soluções em diferentes níveis de profundidade:

    • Assistência Digital

É um serviço sem custo para o produtor, que envolve o acompanhamento da lavoura através de imagens de NDVI (Índice de Vegetação da Diferença Normalizada). A partir da localização geográfica da fazenda, o consultor da Atua Agro consegue captar a imagem de NDVI da plantação e mostrar para o produtor o que está acontecendo na propriedade. Com esse acompanhamento digital, o agricultor pode otimizar o processo de tomada de decisão.

  •  Manejo Digital

Trata-se de uma assistência técnica consultiva mais estruturada do que a Assistência Digital. Além do acompanhamento com imagens de NDVI da plantação, o produtor conta, periodicamente, com a presença de um assistente técnico para avaliação de pragas e doenças na lavoura. O profissional inclui essas informações na ferramenta digital (Cropwise Protector) e o produtor recebe, em tempo real, imagens via satélite da fazenda e notificações do que está acontecendo na propriedade. Com essa solução, que também é conhecida como Controle Certo, o agricultor reduz significativamente o tempo gasto na operação e obtém informações mais precisas, que ajudam a otimizar a tomada de decisão.

  • Gestão digital

Essa é a solução digital mais robusta da Atua Agro, que envolve as ferramentas da Assistência e do Manejo Digital, além do suporte de um consultor especializado na fazenda. O profissional oferece uma consultoria digital completa, auxiliando não apenas no acompanhamento das pragas, mas de toda a propriedade: gestão de estoque, gestão de insumos, mapeamento de fertilidade, planejamento orçamentário através da plataforma AEGRO, etc.

Além de gerar a informação, o consultor também tem o papel de auxiliar o produtor sobre o que fazer com ela, para que as decisões sejam tomadas de forma mais rápida e assertiva, melhorando os processos da lavoura como um todo. Com o suporte e o auxílio técnico da Atua Agro em parceria com a Syngenta Digital, é possível obter o melhor retorno na plantação a partir de informações cada vez mais relevantes para o agricultor.

2. Atua Assistência

Trata-se de um modelo de assistência técnica consultiva da Atua Agro que envolve um atendimento diferenciado, passando pela hora de planejar, hora de plantar, hora de cuidar e hora de colher, no qual o consultor acompanha toda a jornada do cliente, entendendo quais são as suas necessidades e desafios. Através de uma agenda estruturada que envolve visitas na fazenda e relatórios em tempo real, o profissional faz um diagnóstico da lavoura e leva recomendações para apoiar o agricultor na tomada de decisão.

3. Atua Interação

A Atua Agro quer se manter próxima dos clientes. Para isso, desenvolveu uma agenda de interação que inclui diversas ações e eventos exclusivos; palestras com especialistas voltadas para todos os momentos da lavoura; eventos de datas comemorativas; geração de conteúdo por meio das redes sociais e site; Atua Voz, que consiste em rodas de conversa para entender as dificuldades do agricultor e o que ele espera da empresa, entre outras. Cada loja possui seu calendário personalizado de ações: consulte a programação na Atua Agro mais próxima de você!

4. Atua no Campo

Estar ao lado do agricultor não é apenas no sentido figurado. A Atua Agro busca promover discussões técnicas em campo, proporcionando áreas demonstrativas para avaliação de performance de produtos, estações experimentais e dias de campo. Junto ao agricultor, busca entender as melhores práticas de manejo para cada região, clima e particularidades locais. Para a safra 20/21, estão previstas mais de 168 ações.

5. Atua Solução

O pilar de soluções envolve o portfólio completo e robusto da Atua Agro para todos os momentos da lavoura, o que só é possível por conta das parcerias em todas as frentes de trabalho. A parte de químicos fica por conta do Grupo Syngenta, com destaque para Syngenta Crop Protection e Adama no Rio Grande do Sul. Na parte de sementes de soja e milho, a empresa conta com duas grandes marcas: NK e Nidera.

As soluções da área de nutrição da Atua Agro, tanto no Rio Grande do Sul quanto no Paraná, são frutos da parceria com o Grupo Fertipar, Piratini e Mosaic, na parte de fertilizantes de solo. Para nutrição foliar e adjuvantes, conta com o apoio da Compass Minerals, enquanto os bioestimulantes de uso foliar ficam a encargo da Valagro. Na parte de inoculantes, a parceria é com a Rizobacter. No Rio Grande do Sul, a Atua Agro tem, ainda, com outros dois parceiros: a Yara Fertilizantes e a Stoller.

Por fim, a empresa conta também com a Syngenta Digital, que fornece o aparato tecnológico para a evolução da gestão digital nas propriedades.

O sucesso do agricultor é a missão da Atua Agro

Recentemente, a Atua Agro anunciou a inauguração de 20 novas lojas nos estados do Rio Grande do Sul e Paraná. Na ocasião, Ricardo Perez, Diretor Executivo da empresa, pontuou que o objetivo da Atua Agro é valorizar o agricultor e trazê-lo para cada vez mais perto, a fim de que ele tenha um ambiente acolhedor e uma experiência positiva nas lojas, com confiança no trabalho da empresa.

“Convidamos o agricultor a nos dar a oportunidade de mostrar por que viemos e ver que, de fato, somos uma empresa que vem para se estabelecer em uma longa jornada, por meio de uma evolução conjunta nos negócios e pela satisfação dos nossos clientes”, disse Ricardo.

Com a nova proposta do Atua Experiência, que envolve uma equipe altamente qualificada, que compreende os desafios do agricultor, conhece as melhores técnicas de manejo e fornece soluções diferenciadas, a Atua Agro busca motivar o sucesso do agricultor e proporcionar uma experiência completa e diferenciada.

 

Soja: safra 20/21 deve ter produção recorde 1024 572 Atua Agro
Safra 20/21 de soja deve ter recorde de produção

Soja: safra 20/21 deve ter produção recorde

A falta de chuvas postergou o início do plantio em várias localidades, mas a situação já está praticamente normalizada e a Conab mantém perspectivas positivas para a safra. Saiba como a Atua Agro pode te ajudar a ter uma lavoura ainda mais produtiva

 

O Brasil é o maior produtor mundial de soja, cultura que tem um papel importante para a economia do país, pois lidera o ranking nacional de produtos mais exportados há mais de 20 anos. Nas últimas safras, foram obtidos bons resultados e condições de mercado atrativas para a comercialização da oleaginosa.

O plantio da safra 20/21 está em andamento na maior parte das regiões produtoras. A expectativa para essa temporada é de um crescimento de 3,5% da área plantada em comparação à safra anterior, atingindo 38,2 milhões de hectares, de acordo com dados do Boletim Grãos Novembro 2020 da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

As oscilações climáticas — em especial a falta de chuvas —  impactou o ritmo das operações no início do plantio: em outubro, praticamente todos os estados produtores registraram precipitações abaixo da média. A situação, no entanto, se regularizou no início de novembro e as perspectivas seguem positivas para a safra 20/21. A Conab estima uma produção recorde de 134,9 milhões de toneladas, 8,1% maior em relação à temporada anterior.

A expectativa de desempenho da safra se mantém otimista respaldada pela forte demanda da China, pelo câmbio favorável e pelo fato dos preços da soja estarem em um bom patamar. Nesse cenário, os produtores poderão investir mais nas tecnologias e em melhores cuidados na condução e no manejo dos cultivos.

A influência da seca na Região Sul

No Paraná, o plantio está em andamento, com pequeno atraso em relação às safras anteriores. A falta de chuvas regulares não favoreceu o plantio no mês de setembro, e muitos produtores ficaram receosos por conta dos baixos níveis de umidade no solo. Com a ocorrência das chuvas, e caso as condições de luminosidade ao longo do ciclo sejam favoráveis, o atraso no plantio poderá ser compensado. As lavouras estão em boas condições, e a expectativa é de que as chuvas, mesmo que irregulares, aconteçam nos momentos certos, sem que a produtividade seja afetada.

Já no Rio Grande do Sul, a semeadura foi iniciada em outubro, mas teve pouca evolução em virtude do intenso estresse hídrico. Até o início de novembro, apenas 5% da área prevista foi semeada e as lavouras aguardam as chuvas para a germinação ter início. Segundo o último Informativo Conjuntural da Emater/RS (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio Grande do Sul), na região de Santa Maria, o plantio foi paralisado no início de setembro, mas a área plantada já alcança 40% da intenção de plantio.

Na região de Ijuí, a semeadura foi interrompida na segunda semana de novembro pela falta de umidade no solo. As lavouras semeadas antes das precipitações apresentam boa densidade de plantas, enquanto as lavouras semeadas após as chuvas do início de novembro apresentam emergência desuniforme. Ainda assim, as sementes que ainda não germinaram estão sem danos aparentes.

De acordo com a avaliação da Conab, ainda não há motivos para preocupação: historicamente, a semeadura da Região Sul se concentra em novembro e, caso haja umidade no solo, deverá evoluir dentro do esperado. A companhia afirma também que a expectativa de plantio para essa safra na região foi ajustada em 2,6%, chegando a 6.055,2 mil hectares, seguindo a tendência de aumento dos últimos anos.

Problemas causados pela falta de chuvas

Dentre os fatores que interferem na produção agrícola, o clima é o mais difícil de ser controlado, e a limitação hídrica é a principal responsável pela variabilidade dos rendimentos de grãos entre uma safra e outra.

Na cultura da soja, a disponibilidade de água é importante durante todo o ciclo, especialmente no período de semeadura. O plantio em solo com escassez hídrica é prejudicial para a produção porque:

  • torna o processo de germinação mais lento, podendo comprometer o cumprimento da janela ideal de segunda safra;
  • expõe as sementes por mais tempo às pragas e fungos presentes no solo, capazes de causar grandes prejuízos na fase inicial da lavoura;
  • reduz a chance de obtenção da população de plantas desejada.

Atua Agro: ao lado do produtor em todos os momentos

No cenário atual, o sojicultor pode se precaver para que outras ameaças, como pragas, doenças e daninhas, não atinjam as lavouras, comprometendo ainda mais a sanidade e a rentabilidade da safra. Agir rápido e utilizar soluções e tecnologias de qualidade é imprescindível para obter boa produtividade.

Além disso, por conta do possível período reduzido para a segunda safra, o produtor já deve se planejar para investir em boas cultivares de semente a fim de assegurar uma germinação adequada e o vigor das culturas.

A Atua Agro tem como compromisso o sucesso do agricultor e busca atuar em parceria com ele em todos os momentos. Além de oferecermos um portfólio completo de defensivos, fertilizantes e sementes, também investimos em levar conhecimento aos agricultores e oferecemos assistência técnica personalizada, para ajudar os produtores a ultrapassarem os desafios da agricultura.

Contamos com soluções financeiras, digitais e agronômicas para assegurar a produtividade das plantações e temos uma equipe especializada esperando por você na Atua Agro mais próxima. Para mais informações, acesse: www.atuaagro.com.br

 

 

Milho: como manter a produtividade mesmo com interferências climáticas 1024 572 Atua Agro
milho-como-manter-a-produtividade-mesmo-com-interferencias-climaticas

Milho: como manter a produtividade mesmo com interferências climáticas

A falta de chuvas, principalmente no Rio Grande do Sul, pode comprometer a primeira safra 20/21 de milho. Saiba como a Atua Agro pode te ajudar!

Dentre os cereais cultivados no Brasil, o milho é o mais expressivo. Na temporada 19/20, foram produzidas cerca de 102,5 milhões de toneladas, considerando as três safras. No que diz respeito à área da safra de milho verão, a temporada 19/20 atingiu 4,2 milhões de hectares, 3,2% maior que a área cultivada na safra anterior, de acordo com dados do 12° levantamento de grãos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Na Região Sul, as lavouras do Rio Grande do Sul, principalmente, tiveram seu potencial produtivo prejudicado devido a problemas climáticos, que reduziram em 3% a produtividade média do país em comparação à safra anterior.

Para a safra 20/21, a Conab apresenta a projeção de produção total esperada de 105,2 milhões de toneladas – um aumento de 2,6% em relação à temporada anterior. De acordo com levantamento da consultoria Safras & Mercado, até o fim da primeira semana de novembro de 2020, o plantio de milho verão no país atingiu 72,5% da área estimada.

Nesse mesmo período, a Região Sul mostrou-se um pouco mais adiantada do que as outras regiões, com:

  • 90,1% de área plantada no Rio Grande do Sul;
  • 79,3% em Santa Catarina;
  • 97,4% no Paraná.

Ainda assim, o ritmo de plantio atrasado, se comparado ao mesmo período do ano passado, e a falta de chuvas na região, principalmente no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, podem gerar prejuízos para a cultura.

Situação atual do milho na Região Sul

No início de novembro, as precipitações ocorreram esparsas e com volumes variados no Rio Grande do Sul, maior produtor de milho na primeira safra do Brasil. Isso permitiu a continuidade dos plantios, mas com restrições nos locais em que a umidade do solo permaneceu abaixo do aceitável para germinação.

Segundo o último Informativo Conjuntural da Emater/RS (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio Grande do Sul), na região de Ijuí, o retorno das precipitações contribuiu para a retomada do crescimento da cultura do milho e para a melhora significativa no aspecto visual das plantas: nos últimos dias de outubro, elas apresentaram retorno da turgidez das folhas e emissão de novas folhas, mas não foi o suficiente para cessar o quadro de déficit hídrico.

Já na região de Santa Maria, o plantio avançou, chegando, na primeira semana de novembro, a 38% da área plantada do total previsto de 42.335 hectares.

Umidade é fator-chave para o desenvolvimento do milho

A lavoura de milho é diretamente afetada por fatores ambientais, como a temperatura, a luminosidade e a umidade. É preciso que eles atinjam níveis considerados ótimos para alcançar o máximo do potencial produtivo da cultura. Por esse motivo, identificar qual é a época adequada de plantio é um dos aspectos mais importantes a serem observados pelo agricultor, principalmente em regiões de alta latitude ou altitude.

O milho é uma cultura muito exigente em questões hídricas e a falta de chuvas pode ocasionar danos em todas suas fases: no período de crescimento vegetativo, devido ao menor elongamento celular e à redução da massa vegetativa, há uma diminuição na taxa fotossintética. Com o déficit hídrico, a produção de grãos é afetada, já que a menor massa vegetativa possui menor capacidade de realizar a fotossíntese.

Na fase do florescimento, a falta de umidade pode causar a dessecação dos estilos-estigmas, aborto dos sacos embrionários, distúrbios na meiose, aborto das espiguetas e morte dos grãos de pólen, que resultarão em redução no rendimento. Já se o déficit hídrico ocorre na fase de enchimento de grãos, ele afeta o metabolismo da planta e o fechamento dos estômatos, reduzindo a capacidade fotossintética.

Comercialização e expectativas

O mês de novembro começou com o preço do milho em alta, por conta do cenário de falta de chuvas. A dificuldade no plantio fez com que os vendedores não comercializassem as sacas de milho, assim como estão retendo as ofertas disponíveis para negociação.

Dessa forma, o preço continua avançando no Brasil: na última semana de outubro, bateu um recorde histórico no país, com a cotação atingindo R$ 82,67 por saca de 60kg.

A Safras & Mercado também revisou seus números de produção de milho da safra de verão 20/21, que deverá ficar em 22,851 milhões de toneladas, em comparação às 24 milhões de toneladas previstas no levantamento anterior, devido ao tempo seco.

A colheita deve ser inferior também em relação às 23,161 milhões de toneladas da temporada 19/20.

Atua Agro: ao lado do produtor em todos os momentos

Apesar da redução da produtividade ser esperada para a primeira safra 20/21 por conta da estiagem, o produtor de milho pode se precaver para que outras ameaças não atinjam as lavouras, comprometendo ainda mais a sanidade e a rentabilidade da safra.

É preciso ficar atento principalmente ao aparecimento de pragas, doenças e plantas daninhas para não ser ainda mais prejudicado. O monitoramento da lavoura e o manejo correto são imprescindíveis para atingir bons resultados!

O sucesso do agricultor é um compromisso da Atua Agro. Entendendo os desafios e conhecendo as melhorias técnicas de manejo, buscamos atuar em parceria com o produtor em todos os momentos.

Para isso, investimos em levar conhecimento aos agricultores e contamos com soluções financeiras, digitais e agronômicas para assegurar a produtividade das lavouras, independentemente de suas necessidades. Com uma equipe especializada e as melhores soluções e tecnologias reunidas em um só lugar, esperamos você na Atua Agro mais próxima. Para mais informações, acesse: www.atuaagro.com.br

Mais lidas

5 dicas de ouro para um bom planejamento da safra de soja 1024 576 Atua Agro
Aplicação zero faz toda a diferença no controle de doenças da soja

5 dicas de ouro para um bom planejamento da safra de soja

Engenheiro agrônomo Thomás Kazmirski revela quais são os cuidados essenciais que o produtor precisa levar em consideração na hora de planejar a próxima safra O agronegócio tem papel decisivo para o crescimento econômico brasileiro e a soja é a maior commodity agrícola exportada pelo país, com importância reconhecida na economia nacional. Segundo o último boletim…

Preparo correto do solo pode dobrar a sua produtividade 1024 777 Atua Agro
preparo-correto-do-solo-pode-dobrar-a-sua-produtividade

Preparo correto do solo pode dobrar a sua produtividade

Investir em tecnologias que proporcionem a adubação mais adequada é essencial para os bons resultados da lavoura Tão importante quanto a escolha dos melhores cultivares e defensivos para a lavoura é preparar o solo para o cultivo. Essa etapa deve receber atenção especial do produtor, já que as práticas adotadas resultarão na maior produtividade e…

Elimine os percevejos da sua lavoura em poucas horas 1024 576 Atua Agro
Percevejos atacam lavoura e comprometem produtividade

Elimine os percevejos da sua lavoura em poucas horas

Parte do complexo de pragas que mais causam prejuízos às lavouras da cultura, os insetos atacam ao longo de todo o ciclo e devem ser monitorados Fundamental para a economia brasileira, o agronegócio representou cerca de 21% do PIB (Produto Interno Bruno) em 2019, porcentagem significativa que comprova a versatilidade da produção de grãos no…